Segunda, 26 de Julho de 2021
43999564777
Dólar comercial R$ 5,17 -0.68%
Euro R$ 6,11 -0.41%
Peso Argentino R$ 0,05 -0.88%
Bitcoin R$ 218.592,62 +22.221%
Bovespa 125.933,33 pontos +0.7%
Economia SEU BOLSO

Aneel aprova reajuste médio de 9,89% nas tarifas da Copel

Novas tarifas entram em vigor a partir da próxima quinta-feira (24).

22/06/2021 18h37
127
Por: Jomar Medeiros Fonte: Da Agência Estado
Divulgação
Divulgação

A Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou nesta terça-feira (22) reajuste médio de 9,89% nas tarifas da Copel Distribuição. Para os consumidores atendidos em alta tensão, como indústrias, o efeito médio será de 9,57%. Já para os de baixa tensão, que inclui os residenciais, o impacto médio será de 10,04%. As novas tarifas entram em vigor a partir da próxima quinta-feira (24).

A empresa é responsável pela distribuição de energia para 4,8 milhões de consumidores, considerando todos os grupos, como comerciais, rurais, residenciais e livres.

O reajuste é resultado da revisão tarifária da companhia, processo realizado pela agência reguladora para manter o equilíbrio econômico-financeiro das distribuidoras. A revisão é realizada periodicamente em intervalos de quatro anos.

O relator do processo, diretor Hélvio Neves Guerra, afirmou que como em outros setores, a pandemia da covid-19 impactou o setor elétrico e as distribuidoras de energia.

Ele ressaltou que a aprovação de reajustes das tarifas tem sido um desafio para a Aneel, mas que a agência tem conseguido mitigar os impactos sem recursos do Tesouro.

“Estamos lidando, principalmente, com as consequência da pandemia da covid-19 no setor elétrico e na população brasileira. A busca desse equilíbrio tem sido um exercício constante da agência, que tem se empenhado para garantir a sustentação das empresas, ao passo que procuramos mitigar efeitos econômicos do aumento de tarifas considerando momento de perda de renda”, afirmou.

O diretor ressaltou medidas aplicadas para aliviar os reajustes, como o uso de créditos de PIS/Cofins, cobrados de forma incorreta nos últimos anos.

O impacto dessa medida foi de -6,50%. Também contribuíram para atenuar o percentual, a reversão de recursos da chamada conta-covid e o adiamento do pagamento de indenizações às transmissoras.