covid
Luam
Exonerados em Manaus

Investigados por suspeita de furar fila na vacinação contra a Covid-19 são exonerados em Manaus

Entre os nomes, estão das gêmeas Isabelle e Gabrielle Kirk Maddy Lins.

13/02/2021 19h32
Por: Jomar Medeiros
Fonte: Por Matheus Castro, G1 AM
164
g1
g1

Sete dos dez médicos citados em investigação do Ministério Público do Amazonas sobre "fura-filas" na vacinação contra a Covid-19 em Manaus foram exonerados pela Prefeitura da capital nessa sexta-feira (12). Entre os nomes, estão das gêmeas Isabelle e Gabrielle Kirk Maddy Lins. As duas receberam a primeira dose da vacina no dia 19 de janeiro - mesmo dia em que uma delas foi contratada. A outra foi efetivada no cargo dia 18, um dia antes.

O G1 questionou a Prefeitura para saber se a exoneração aconteceu por causa do pedido do Ministério Público ou a pedido dos próprios investigados, e aguada retorno.

O caso ganhou repercussão após as médicas postarem a imunização nas redes sociais. A família das médicas é dona de hospitais e universidades particulares em Manaus, entre outros negócios. Além das duas, a lista de investigados traz, ainda, os nomes de outros oito médicos, dentre eles, o filho do suplente de deputado estadual Wanderley Dallas, David Louis Dallas.

Na época, em meio às polêmicas sobre a vacinação do grupo, o prefeito de Manaus, David Almeida, negou as irregularidades, disse que se tratava de fake news e chamou os médicos investigados de heróis. A secretária de saúde de Manaus, Shádia Fraxe, justificou a contratação do grupo, alegando a falta de recursos humanos.

Todos os médicos se tornaram alvo de investigação porque estavam entre os primeiros vacinados contra a Covid-19 e tinham sido contratados havia poucos dias pelo gabinete da Prefeitura. Na época, o Ministério Público citou que a contratação deles foi "falsamente" para o cargo de gerente de projetos, o que levantou suspeita de falsidade ideológica.

Os promotores chegaram a pedir a prisão do prefeito e da secretaria de saúde, por conta das irregularidades, além da exoneração dos citados. O pedido está sob análise da Justiça.

Em relação a esses dez médicos, o MPE apontou que:

Foram contratados "falsamente como gerente de projetos" mas trabalhavam em unidades de saúde – a nomeação foi intermediada pela médica Ilcilene de Paula da Silva, com a participação da secretária municipal de Saúde, Shadia Fraxe, e do assessor Djalma Pinheiro Pessoa Coelho;

a nomeação para o cargo de gerente de projetos partiu do prefeito David Almeida;

o grupo era formado por pessoas com "ligações políticas e econômico-financeiras de apoio político e eleitoral ao atual prefeito";

as suas nomeações ocorreram em 18 e 19 de janeiro, quando as primeiras doses de vacina foram aplicadas em Manaus e no no interior do Amazonas;

alguns dos médicos tinham feito o registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) em período de 10 a 35 dias antes da contratação;

o cargo de gerente de projetos prevê o salário de R$ 9 mil – já a remuneração de médicos temporários da prefeitura é de R$ 6,9 mil.

Na quarta-feira (10), as gêmeas Lins e David Dallas receberam a segunda dose do imunizante.

O Ministério Público Federal (MPF) informou que, a princípio, não há ilegalidade dos profissionais terem recebido a segunda dose, já que eles atuam no atendimento a pacientes com Covid-19.

Por meio de nota, as médicas afirmam que elas optaram pelo pedido de exoneração do cargo.

"A situação infelizmente ficou insustentável a partir do momento em que se passou a questionar a forma escolhida pela Prefeitura para a contratação dos mesmos, gerando um enorme mal-estar e comprometendo o ambiente de trabalho", diz um trecho da nota.

Sobre a segunda dose da vacina, Gabrielle e Isabelle afirmam que são médicas atuantes na linha de frente do combate ao coronavírus e que foram notificadas através do Portal da Prefeitura para receber a segunda dose, tendo comparecido no local e horário pré determinados pelo governo.

Irregularidades na vacinação

A campanha de vacinação contra a Covid-19 em Manaus é marcada por irregularidades. Veja cronologia abaixo:

21 de janeiro - a campanha foi suspensa na capital em meio à investigação do Ministério Público sobre irregularidade na aplicação das doses.

 Foram feitas denúncias de que médicas parentes de empresários locais estavam furando fila, após postarem fotos em redes sociais.

22 de janeiro - A Secretaria de Saúde do governo do Amazonas entregou lista de profissionais da saúde que seriam vacinados contra Covid em Manaus

23 de janeiro - a vacinação é retomada, com a imunização dos profissionais da saúde. No mesmo dia, à noite, Justiça Federal determinou que a prefeitura de Manaus informasse, todos os dias, a relação das pessoas vacinadas contra a Covid na cidade sob pena de multa.

25 de janeiro - o Ministério Público Estadual do Amazonas pediu a prisão do prefeito de Manaus, David Almeida, e da secretária municipal de Saúde, Shadia Fraxe, na ação que denuncia irregularidades na aplicação da vacina e no favorecimento de pessoas que teriam furado a fila do grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19. De acordo com o MPE, houve fraude na fila de prioridades durante a campanha de vacinação e contratação irregular de dez médicos.

28 de janeiro - o prefeito David Almeida negou irregularidades e chamou de ‘heróis’ os médicos que tiveram contratação questionada pelo Ministério Público.

29 de janeiro - a secretária da Saúde, Shadia Fraxe, disse que faltavam "recursos humanos".

Apesar da investigação, as vacinas de profissionais da saúde e de idosos estão sendo aplicadas em pontos diferentes da capital.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.